De volta aos anos 80

Depois de me casar, mudar de pais, largar meu emprego, resolvi fazer a mudanca mais radical entre todas elas: cortar a franja.

Cortar a franja exije que voce tenha um cabelo digno de Cleo Pires, ja que uma franja ondulada eh uma ousadia sem fim. Meu cabelo nao eh nenhum modelo de elseve liss-extreme, mas nao sei porque aqui no velho continente ele se comporta melhor do que ai no nosso clima tropical.

Cortar a franja tambem envolve dias e dias de meditacao, para ter certeza de que voce vai fazer a coisa certa, mesmo sabendo que cortar a franja nunca sera a coisa certa. Ou entao muitas fotos nas revistas, para comparar e escolher o melhor modelo de franja, se seria aquele estilo Aline Moraes ou so uma franjinha timida, que vai ficar escondida no resto do cabelo. Mas no meu caso, o que aconteceu foi que acordei de manha, liguei o computador e a internet nao estava funcionando. Por puro tedio e sem nenhuma meditacao, peguei a tesourinha de unha, ajoelhei em frente a privada, puxei um chumasso e cometi esta insanidade. Quando soltei o restinho que sobrou preso na cabeca, ele subiu ate o alto da testa. Agora a unica diferenca entre mim e a Chiquinha do Chaves sao os oculos. E o Tim disse que esta torcendo pra internet funcionar bem nos proximos dias.




Casamento – parte II

O registro

Para quem nao sabe, casar no civil aqui na Inglaterra eh bem diferente do nosso casamento no cartorio brasileiro. Primeiro que voce nao precisa despencar la na Avenida Amazonas ou na Rua Sao Paulo, entrar numa fila com outros casais e ter o prazer de assistir umas barangas vestidas de noiva em pleno centro da cidade.

O casamento no civil aqui eh uma cerimonia completa, com direito a musica que os noivos escolhem, cadeirinhas para os convidados, bouquet, leituras, poemas, citacoes e outras firulas para ingles ver. Eh ate permitido que a noiva se vista de noiva, sendo ela baranga ou nao. Mas como eu sei que seria alvo de piadas no meu pais de origem, e como nao sou nenhuma baranga, optei por um vestidinho classico e deixei os trajes tipicos para as daminhas de honra.


Todas as fotos do casamento no civil, aqui 😉

A festa

A festa de casamento aqui na Inglaterra tambem eh um pouquinho diferente. Aqui esta valendo calca jeans, camiseta e o que mais voce quiser usar, e olha que voce nao esta na Avenida Amazonas. Neste caso so a noiva tem que estar vestida a carater, caso contrario as pessoas nao se lembrariam que estao em uma festa de casamento.

Tambem eh tradicao por aqui o noivo escolher um best-man, que eh um amigo que fara o discurso durante a festa. No nosso caso, o Tim escolheu dois amigos, que contaram a historia de como nos conhecemos, fizeram piadas, mataram o povo de rir e no final me chamaram para a entrega de um “presente”. La fui eu toda contente e o tal presente era um “green card”, um cartao verde feito de cartolina, ja que agora posso ficar em territorio britanico por toda a eternidade.

Outro momento de pura alegria inglesa foi quando os “amigos” distribuiram uma foto proibida do casal: eu e Tim na praia, no Brasil, ele usando uma sunga mais que normal e condizente com o local e ocasiao. O que voces nao sabem eh que por aqui, usar uma sunga de lycra sendo na praia ou no proprio chuveiro eh motivo de morte a pauladas. Tive que pegar o microfone e explicar que, no Brasil, o motivo de chacota seria se o Tim continuasse usando o short azul marinho que ele tentou vestir no primeiro dia para ir a praia. Ai sim ele seria morto a pauladas por trombadinhas que reconheceriam o gringo a quilometros de distancia.


Veja mais fotos da festa

Paris

Existem tres meios de travessar o mar e chegar a Franca partindo da Inglaterra: aviao, trem ou barco. Desta vez optamos pelo mais exotico deles e pegamos um barco na costa inglesa, ignorando o fato de o mar estar super agitado. A proxima cena foi digna de Titanic: a tripulacao distribuindo saquinhos vazios e coletando saquinhos cheios, pessoas caindo, sons estranhos vindos dos banheiros, agua escorrendo pelos corredores, criancas chorando e uma das piores sensacoes que ja passei na vida. Eu ja estava esperando pela cena onde eu seguraria a mao do Tim ate ele afundar congelado, quando entao eu jogaria meu anel de diamantes no mar, com a Celine Dion cantando ao fundo. Mas o Tim estava mais preocupado com o carro dele que estava estacionado no andar de baixo. Por sorte, ou pelo enredo previsivel, e chegamos sao e salvos do outro lado, inclusive o tao querido carro nao teve nenhum arranhao.

Finalmente pisamos na cidade-luz, onde os crepes aguardavam a chegada dos noivos, para repor o croissant que eu perdi enquanto estava no barco. E seguindo o roteiro dos filmes e seriados romanticos, tivemos uma linda lua-de-mel em Paris…