coisa de menina

Foram mais de 20 minutos tentando, eu tive que ficar de pe, pular, tossir, mudar de posicao. Ai quando ja estavamos desistindo – e a enfermeira tambem – ela resolveu deixar-se ver: parou de mexer, saiu de cima do proprio pe e tcharan! Fez charminho mesmo, igual qualquer mulher faria. E eu assim chocada, ja que passei este tempo todo chamando minha barriga de pronome masculino. Pensei (e falei) meu Deus! tenho que me acostumar agora a chama-la de “ela”. Acho ate que a moca achou que eu nao estivesse contente. Ela nao sabia que eu estava muito mais que contente, estava surpresa, em extase e simplesmente feliz. Acho que no fundo mesmo eu nao queria me permitir “querer” uma filhinha primeiro e descobrir que nao seria possivel.

Mas a emocao mesmo so veio meia hora depois, na loja de nenem. Chorei ao ver um bebe-conforto. Meu nariz ate entupiu quando vi um carrinho acolchoado. E quando passei a mao num bercinho branco, lisinho e brilhante, decidi que aquela emocao era melhor do que ganhar um anel de diamante. Acho que estou mesmo virando mae.




Pink or blue?

Esta chegando a hora! Amanha saberei se meu amadinho(a) eh menino ou menina.
Se vai gostar de rosa ou de azul.
Se vai querer brincar com minhas maquiagens e meus sapatos de salto,
ou se vai preferir brincar na garagem com o pai,
usando um capacete de gente grande para andar de velotrol.
Amanha saberei se ele sera o heroi da minha vida.
Ou ela, a princesa mais linda que existe.
De qualquer forma amado(a) ele(a) ja eh.
Sendo ele(a) assim como ele(a) eh.

a realidade e salgada

Tudo comecou na descida da serra de Petropolis, quando, para variar, paramos naquele restaurante Casa do Alemao. Como todas as outras vezes, nos comemos o famoso pao-com-linguica, brioches de queijo, croquetes de carne com mostarda preta e, por fim, compramos uns pacotinhos de biscoitos para viagem. Eu e meus irmaos somos simplesmente viciados nos biscoitinhos de la, especialmente naquele estilo canudinho para sorvete, so que este vem com duas bolotas gigantes de chocolate, uma em cada ponta. Pra voce ter uma ideia, meu irmao disse que ja estava com 40 reais separados so para os tubinhos, porque ele queria comer um pacote por dia, e sem dividir com ninguem, pelo resto da semana. A minha surpresa foi que quando entramos de volta no carro e eu fui com agua na boca degustar aquela iguaria anual, nao vi a menorrrr graca no tal biscoito. Um gosto de papelao com vela. Comi 2 (acreditem, DOIS) e nao encostei mais em nenhum dos 4 pacotinhos que eu havia adquirido. As reliquias acabaram vindo parar aqui, na Inglaterra, onde ocupam um pote de vidro na cozinha e estao fazendo aniversario de 1 mes amanha.

Foi entao que comecei a me lembrar que do meu bolo de aniversario eu so comi uma fatia. Ta bem, uma fatia por dia, enquanto ele durou. Mas normalmente ele nao passaria do dia seguinte, visto que eu comeria no minimo a metade dele sozinha. E ao inves, comecei a babar por milho cozido. Pra me agradar, meu pai cozinhou uma panela cheia deles e eu comi simplesmente 5 espigas, com muito sal e manteiga. No almoco, batia cada pratinho de pedreiro que nao sobrava espaco nem vontade para os doces. E num destes dias reparei que o cheeseburger do McDonalds ficou tao mais saboroso. No cafe da manha, ao inves de croissants com geleia de morango, eu passei a comer uma bisnaga de pao quase inteira, com muita manteiga de alho. Na semana passada comi a melhor pizza de mussarela da minha vida. E quase desmaiei com uma propaganda de um frango assado na TV.

Mas a gota d’agua mesmo foi quando sai para jantar com duas amigas daqui e, assim que terminamos, elas pegaram o cardapio de sobremesa primeiro do que eu. Gente, isso nao eh normal. Eu geralmente ja sei o que vou pedir de sobremesa antes mesmo de pedir o jantar. E quando por fim elas me perguntaram o que eu iria querer, eu confessei com aquela cara de cachorro que fez xixi no tapete da sala: “ai, se eu pudesse escolher comeria mesmo era uma batata assada”.

E foi assim, sem nem uma pitadinha de acucar para amenizar a dura realidade, que meus dias de paixao pelo chocolate chegaram ao fim. Ja pedi perdao mil vezes as caixas de bis que eu trouxe do Brasil. Entre nos nao existirao mais serenatas-de-amor, nem mesmo sonhos-de-valsa. Todos eles terao que amargar  9 meses de pura solidao, enquanto se esbranquicam empacotados ali no armario da despensa. A verdade eh que gosto nao se discute, e entre chocolate e mulher ninguem deve meter a colher. Entao depois de 33 anos da mais pura fidelidade, eu simplesmente resolvi troca-lo, sem uma gota de remorso, por uma batata assada. O amor eh mesmo cego.