como é duro ser blog em tempos de facebook

Só agora me dei conta de que fiquei quase 3 meses sem escrever aqui! A triste conclusão é que, como ninguém reclamou, só posso ter perdido de vez a minha meia dúzia de leitores para o facebook. Aliás, uma cena bem cotidiana aqui em casa é eu e o Tim deitados na cama de manhã cedo, cada qual com seu smartphone, pesquisando sobre as últimas do mundo, digo, do facebook – essa praga. A Gabriela já até se acostumou, tipo “filha, a mamãe está muito ocupada lendo as notícias, vai brincar ali com seus ursinhos”. Até que depois de uns 20 minutos, quando desperdiçamos tempo para descobrir o que cada um dos nossos 545 amigos comeu na noite anterior, quem está com muito calor, quem está com muito frio, quem acredita que “é melhor ter um inimigo assumido do que um falso amigo”, quem está feliz por ser sexta-feira e quem perdeu 40 kg tomando herbalife; deixamos o telefone de lado para dar um pouco de atenção a nossa menina. E as vezes tiramos uma foto ou outra dela e colocamos lá tambem, no site azul, o tal livro das caras.

O problema agora é que nem estou lembrando bem o que fiz nestes 3 meses, mas graças a minha “linha do tempo” posso refrescar a memória. Ah, sim. Então, em setembro fomos para Cyprus (Chipre, em português, uma ilha que é metade grega, metade turca) para o casamento de um casal de amigos nossos, e a Gabriela foi daminha de honra pela primeira vez. E pela primeira vez também eu e o Tim viajamos para um lugar totalmente novo e podemos falar que não ficamos conhecendo absolutamente nada da ilha, além o caminho da praia para o hotel e do hotel para a praia. Com um pequeno desvio a um supermercado, para comprar fraldas. Normalmente, num tempo bem remoto da minha linha do tempo, lá em 2010 por exemplo, a gente teria feito passeios de barco, de burro, de camelo, visitado todos os pontos turísticos, tirado mil fotos e teríamos mil casos para contar. Mas em compensação, agora sabemos quais as melhores rampas nas ruas para subir com o carrinho de neném e de que lado do passeio tem sombra a que horas do dia. Informações de ouro. Também sabemos quais os restaurantes com as melhores cadeiras-altas e quais servem comida bem rápido, antes que o bebê perca a paciência de ficar lá sentado. Imprecindível. E onde comprar frutas,água mineral, detergente para lavar mamadeira. Além de, claro, a cotação para os barquinhos infláveis de cada uma das lojinhas da praia. Ou seja, se você vai viajar para um lugar super exótico e lindo (dizem que é, nós não sabemos) com um bebê de 1 ano e 2 meses, podemos te dar dicas valiosíssimas.
 

Já em outubro nao fiz nada de muito novo, além do que você já sabe, se em algum ponto da sua vida me adicionou como amiga no facebook. Nem na festa de halloween fomos, a Gabriela com a fantasia de abóbora já comprada, uma fofura – depois tiro uma foto e posto “lá” para voces verem. Deu preguiça do frio e mais ainda de ir em festa de adulto com criança de 1 ano, eu teria que passar a noite toda carregando a abóbora no colo.

E eis que agora chegou novembro, mais frio ainda, a decoração de natal já toda esparramada por onde voce vai, surpreendentemente up to date. Na semana que vem minha irmã amada e meu cunhado chegam aqui e depois eu vou com eles de volta pro Brasil, para uma temporada de 1 mês e meio. E aí todos vocês poderão ficar sabendo como eu também “estou com calor” e o que comi de gosotoso. E claro, vou fazer check-in no Pátio Savassi, na casa da vovó, no Aeroporto Internacional de Guarulhos, além de postar 237 fotos da Gabriela brincando com o cachorro ou chupando picolé. E se não der para escrever aqui antes de 2013, não preciso preocupar; é só eu atualizar meu status com um feliz ano novo para todos os 545 amigos e adicionar uma foto dos 12 amigos/parentes que estarão realmente presentes no dia – sem esquecer de colocar as “tags” em cada um, claro.